Recife, 23 de agosto de 2019

Às vésperas do 104º aniversário, Teatro do Parque tem data de conclusão de reforma adiada para março de 2020

Foto: Roberto Soares/Alepe

A Prefeitura do Recife, através do seu Gabinete de Projetos Especiais, publicou na última terça-feira (20), quatro dias antes do aniversário de 104 anos do Teatro do Parque, o segundo aditivo do contrato firmado para a reforma e ampliação do equipamento, adiando a data de conclusão dos serviços de novembro deste ano para março de 2020. O complemento contratual também estabelece novo valor para essa parte da intervenção, que custará agora R$ 8,18 milhões. O valor representa um acréscimo de 46,3% em relação ao custo pactuado inicialmente, que alcançava R$ 5,49 milhões. A deputada estadual Priscila Krause (DEM), que acompanha a situação desse patrimônio desde quando atuava como vereadora do Recife, afirma que este é o décimo aniversário seguido que o Teatro passa com as portas fechadas, indicando a desconexão entre as promessas da gestão do prefeito Geraldo Júlio (PSB) e a realidade.

“O Recife tem uma joia patrimonial, arquitetônica, um espaço que conta a nossa história através da cultura negligenciado por uma política que decidiu apostar basicamente nos gastos com festas e eventos. É claro que o Recife tem uma tradição festiva e folclórica representativa, mas há um desequilíbrio relevante e essa demora para reabrir o Teatro é o ícone desse descompromisso. Eles chegaram em 2013 com o Teatro fechado há três anos, se passaram seis anos e meio e continua indisponível ao público. Nosso gabinete acompanha todo o processo de execução orçamentária e da obra em si para que possamos de alguma forma exercer pressão em nome da reabertura do Teatro”, registra a parlamentar.

Segundo a deputada, nos seis anos e meio da gestão do PSB à frente da Prefeitura do Recife, os gastos com a rubrica “Restauração, Preservação e Aquisição de Equipamentos e Bens Culturais” somaram R$ 28,3 milhões enquanto os dispêndios com “Promoção de Eventos e Festividades Culturais e Folclóricas” alcançaram R$ 407,0 milhões – 13,4 vezes a mais.

Os dados de execução orçamentária disponibilizados pela Prefeitura registram que o contrato referente à complementação da obra de reforma e ampliação do Teatro do Parque, sob responsabilidade da Multicon Engenharia Ltda., consumiu até julho deste ano R$ 4,34 milhões, indicando a realização de 53% da obra. Outra empresa, a Concrepoxi Engenharia Ltda., foi contratada ainda em 2014 para realizar a reforma, com prazo de conclusão para 2016, mas apenas iniciou os serviços, ao custo de R$ 822,11 mil, e depois teve o contrato descontinuado. Atualmente, além do contrato com a Multicon, outros três serviços estão sendo realizados: um para a recuperação das poltronas, outro para o gerenciamento da obra e, por último,  outro de engenharia consultiva para a readequação do projeto técnico.

Priscila Krause alerta que sequer foram iniciadas etapas fundamentais para a reabertura do Teatro, como o lançamento das licitações para a aquisição dos equipamentos de audiovisual do cine-teatro (4K), climatização, iluminação cênica e som. “A Prefeitura anunciou que receberia três milhões de reais do governo federal, mas o convênio está com cláusula suspensiva na Caixa. É importante verificarmos esse impasse em busca de uma solução. De qualquer forma, a possibilidade desse recurso só veio à tona em 2017, muito depois da Prefeitura ter se comprometido a reabrir o espaço”, complementa. O convênio pactuado com o Ministério da Cultura – hoje Ministério da Cidadania – tem prazo de vigência até 2020.

 

Postado por Priscila Krause às 12:22:43
________________________________________________________

Deixe seu comentário

(obrigatório)