Recife, 08 de maio de 2019

Em resposta a ofício de Priscila Krause, governo de PE oficializa fechamento do Expresso Cidadão Cordeiro por pelo menos seis meses; Deputada questiona precarização dos serviços antes marcados pela excelência

Fotos: Mariana Carvalho

A deputada estadual Priscila Krause (DEM) expôs no plenário da Assembleia Legislativa, na sessão desta quarta-feira (8), ofício enviado ao seu gabinete pela Secretaria de Administração do governo de Pernambuco anunciando a suspensão da unidade do Expresso Cidadão do Cordeiro, no Recife, por um período “estimado” em seis meses. De acordo com o secretário José Francisco Cavalcanti Neto, que assina o documento, as ações de reparo que serão realizadas no espaço tem previsão para serem iniciadas em trinta dias. A unidade já está fechada. De acordo com Priscila Krause, o fechamento repentino do equipamento – sem a apresentação de uma alternativa para os mais de 70 mil atendimentos realizados por mês pela maior e mais antiga unidade do Expresso entre as oito existentes no estado – revela um desserviço à população, que tinha como referência, desde 2000, os serviços prestados pelo programa. “O Expresso Cidadão foi criado por Jarbas e Mendonça, deu tão certo que foi ampliado acertadamente na gestão Eduardo. Desde 2015 começou a ser cortado e agora tem essa suspensão que traz um prejuízo estrutural”, registrou.

A parlamentar explicou que o ofício remetido pela Secretaria de Administração originou-se de documento enviado pelo seu gabinete, na semana passada, questionando a respeito da precarização dos serviços na unidade do Cordeiro, além das informações enviadas pelos cidadãos, via redes sociais, dando conta do esvaziamento das ações naquele prédio. A unidade oferecia serviços de 23 órgãos, entre Detran, SDS (carteira de identidade) e Agência do Trabalho. “Enviamos o ofício para questionar se de fato haveria a suspensão das atividades e se haveria a possibilidade de o governo ceder outro prédio do Parque do Cordeiro, entre alguns que estão à disposição, como o que foi utilizado pela Adagro, para atender essas milhares de demandas que ficarão desassistidas. O que mais estranha nesse processo é a paralisação sem planejamento de um equipamento que funciona há vinte e um anos. Não há uma alternativa, simplesmente os cidadãos vão precisar ser atendidos nas outras três unidades da Metropolitana, que por questões óbvias já atendem próximo da sua capacidade”, afirmou.

Priscila também destacou que, em contraponto aos reparos que o governo promete fazer, justificando a interrupção dos serviços, intervenções de reforma no gesso, nos banheiros, na pintura e nas divisórias já é realizada na administração desde 2018, tendo sido efetivamente pagos R$ 83 mil à construtora responsável (o custo total estava previsto em R$ 181,4 mil). Os serviços foram realizados concomitantemente ao cumprimento da agenda de atendimentos. “O contrato para os reparos nos prédios já existe desde o fim de dois mil e dezessete, quase metade foi realizado no ano passado. Não se entende como agora vai se fechar uma unidade tão importante para o público se a manutenção já estava sendo realizada”, acrescentou. Ela destacou preocupação quanto ao cumprimento do prazo dos seis meses já que não se registra publicamente qualquer publicação em prol de nova contratação para a realização de tais obras.

Inaugurada em junho de 1998 pelo então governador Miguel Arraes, a unidade de atendimento do Cordeiro foi inicialmente intitulada de “Rapidinho”. Em fevereiro de 2000, a gestão Jarbas Vasconcelos ampliou os serviços e passou a intitular o espaço de Expresso Cidadão, símbolo de um programa que alcançaria todo o estado. Desde então, o serviço se ampliou e realiza mais de 220 mil atendimentos por mês – as oito unidades são Cordeiro, Olinda, Pina, Boa Vista, Caruaru, Petrolina, Garanhuns e Vitória de Santo Antão. No sentido contrário à expansão, a gestão Paulo Câmara desativou em 2015 a unidade que funcionava em Afogados.

CUSTO - De acordo com levantamento do gabinete de Priscila Krause, o custo para manutenção da unidade do Expresso Cidadão do Cordeiro é um dos mais baixos entre as oito unidades visto que se trata de um prédio próprio. Em 2018, o custeio anual da unidade dispendeu R$ 588,18 mil, enquanto a média, por prédio, foi de R$ 826,3 mil.



Postado por Priscila Krause às 16:31:37
________________________________________________________

Deixe seu comentário

(obrigatório)