Recife, 03 de maio de 2018

Uma semana após visita da oposição à obra abandonada, governo publica convênio repassando obras do Compaz Coque para PCR


Foto: Mariana Carvalho

A Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude do Estado de Pernambuco firmou convênio de cooperação financeira com a Prefeitura da Cidade do Recife para que a administração municipal assuma e reinicie as obras do Compaz do Coque. A pactuação foi publicada no Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira e vem à tona exatamente uma semana depois de deputados estaduais da bancada de oposição visitarem as obras abandonadas do futuro equipamento. Segundo dados do extrato do convênio, caberá à gestão estadual repassar, nos próximos 12 meses, R$ 3,598 milhões à Prefeitura, que desembolsará R$ 399 mil como contrapartida.

De acordo com a deputada estadual Priscila Krause (DEM), a medida é uma resposta do governo estadual à ação dos parlamentares oposicionistas, o que ratifica a importância de atuações fiscalizadoras na Alepe. “É de se lamentar que as ações só venham a ser tomadas depois que o prejuízo já foi consumado, mas de qualquer forma ficamos contemplados ao passo que o governo reconheceu nosso propósito de fazer uma obra importante andar, transformando de verdade a vida das pessoas. Esse é o intuito do nosso trabalho. Agora caberá acompanhar o convênio sair do papel. Diante do que vemos da atual gestão, precisamos ser otimistas”, registrou Priscila. Além dela, visitaram o canteiro abandonado os deputados Augusto César (PTB), Silvio Costa Filho (PRB), Socorro Pimentel (PTB) e o vereador recifense Rinaldo Júnior (PRB).

Iniciada em 2013 pela gestão do ex-governador Eduardo Campos, a obra de construção da Estação Governo Presente na Ilha Joana Bezerra – na época o projeto do Compaz ainda não era realidade – já consumiu R$ 3,49 milhões do erário estadual. Contratada pela Secretaria das Cidades, deveria ter sido entregue no final de 2014. Desde 2015, no entanto, não há movimentação de obras no local, que virou recinto de proliferação de mosquitos transmissores de arboviroses, além de espaço para consumo de drogas, contribuindo para o aumento da violência na região. O contrato previa que o custo completo do equipamento seria de R$ 4,3 milhões.

Ainda segundo a deputada Priscila Krause, a não realização da obra evidencia a falta de compromisso do governador Paulo Câmara (PSB) com a execução do seu programa de governo, apresentado à população nas eleições de 2014. Na oportunidade, quando já se vislumbrava sinais da crise econômica brasileira, ele se comprometeu a construir 20 unidades do Compaz. Quase quatro anos depois, o governo estadual não construiu nenhum, apenas apoiou financeiramente – via FEM – a implantação dos Centros do Cordeiro e do Alto de Santa Terezinha, realizados pela gestão municipal.

Postado por Priscila Krause às 14:12:23
________________________________________________________

Deixe seu comentário

(obrigatório)