Recife, 10 de outubro de 2017

Coordenadora da Frente em Defesa da Hemobrás, Priscila Krause comanda reunião de instalação

Foto: Mariana Carvalho

A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) instalou na tarde desta terça-feira (10) a Frente Parlamentar em Defesa da Hemobrás. O grupo será coordenado pela deputada estadual Priscila Krause (DEM) e terá a relatoria do deputado Ricardo Costa (PMDB). Os parlamentares Socorro Pimentel (PSL, vice-coordenadora), Roberta Arraes (PSB) e Bispo Osséssio Silva (PRB) completam o colegiado. Líder do governo, Isaltino Nascimento (PSB) também participou sessão de instalação. Determinados a representar o Poder Legislativo estadual na luta pelo fortalecimento da Hemobrás em Pernambuco, em detrimento das ações capitaneadas pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, na direção de esvaziá-la, os deputados anunciaram disposição de acompanhar pari passu as medidas relativas à empresa, com atenção redobrada a todos os atos administrativos chancelados pelo Ministério no âmbito dos hemoderivados.

A primeira agenda da Frente está marcada para a próxima semana, quando os deputados convidarão representantes da Hemobrás, através do seu presidente, Oswaldo Castilho, para uma exposição inicial. A ideia é que, diante das últimas novidades, os deputados tenham noção exata do quadro. O grupo também convidará representantes do Hemope e dos órgãos de fiscalização, como Tribunal de Contas da União (TCU) e Ministério Público Federal (MPF), para participarem desse primeiro momento. A Frente ainda pretende, até novembro, visitar as instalações da unidade fabril em Goiana, ocasião em que desejam estar acompanhados dos representantes da Frente Mista com mesmo intuito instalada no Congresso Nacional.

Desde o início do ano os representantes da Assembleia Legislativa acompanham as ameaças em torno da operação da Hemobrás. Em março, a Folha de S. Paulo publicou editorial apontando a possibilidade de a Empresa perder espaço para o Instituto Butantan, vinculado ao governo de São Paulo. Em junho, veio à tona o projeto capitaneado pelo ministro da Saúde de levar a parte mais rentável e significativa do que está projetado para a planta de Goiana – a produção do fator VIII recombinante – para uma unidade a ser instalada em Maringá (PR), reduto eleitoral do ministro. Após forte manifestação das bancadas federal e estadual de Pernambuco, o governo federal recuou, mas as ameças permanecem. No último dia 4, o TCU determinou por meio de medida cautelar que o Ministério não suspenda a Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) da Hemobrás com o laboratório Shire para a produção do fator VIII recombinante, uma vitória para a causa.


Postado por Priscila Krause às 18:18:25
________________________________________________________

Deixe seu comentário

(obrigatório)